Bioenergia

Bioenergia

Em 2006 o Governo português lançou um concurso público internacional, para a construção de 15 centrais termoeléctricas a biomassa florestal para injecção de energia na rede pública, com o objectivo de criar uma rede de centrais de biomassa, com potência total de 250 megawatts, um investimento de 500 milhões de euros e criar entre 500 e 1000 postos de trabalho. Foram seleccionadas regiões conforme a disponibilidade de biomassa florestal e o risco estrutural de incêndio.

A Palser, em 2007, viu a sua candidatura ao concurso para o distrito de Castelo Branco e Coimbra, até 3MVA, sair vencedora. Em consequência a Palser alterou a sua designação social para Palser – Bioenergia e Paletes, Lda e o seu objecto para construção e exploração da central termoeléctrica a biomassa florestal, nos distritos de Castelo Branco e Coimbra, até 3MVA e, indústria de fabricação de paletes.

O interesse nasceu de forma a completar o ciclo da fileira florestal, a Palser pretende consumir a biomassa florestal de tal forma a aproveitar os subprodutos resultantes da actividade do ramo onde pertence. Também com o objectivo de limpeza das florestas como a forma de redução de incêndios e o aproveitamento de biomassa florestal para produzir electricidade de fontes renováveis, evitando emissões de CO2.

A central, construída junto às instalações da Sertã, iniciou a sua produção no início de 2010 e emprega directamente 12 pessoas, mas o grosso da mão-de-obra é indirecta através da limpeza das florestas. Injecta na rede pública 3.000 KVA e representa um investimento no valor de 11 milhões de euros, totalmente suportado pela Palser.